Jequié: Esquema de fraude serviu para acordo entre prefeitura e vereadores, diz CGU

pf

Um acordo entre a prefeitura de Jequié, no sudoeste, e vereadores, em 2013, na gestão Tânia Britto, permitiu que escolas e unidades de saúde “contratassem” servidores fantasmas. O esquema foi revelado nesta terça-feira (5) na Operação Melinoe, deflagrada pela Polícia Federal e Controladoria Geral da União (CGU). De acordo com o superintendente da CGU na Bahia, Ronaldo Machado, as distorções foram flagradas em escolas do município. Em uma delas, 12 pessoas estavam contratadas para uma mesma função [serviços gerais], mas, na verdade, apenas uma trabalhava. “A prefeitura loteou as unidades escolares e de saúde para os veredadores. Uma forma de conseguir apoio politico. Só que esses pontoseram loteados por indicações de pessoas que não necessariamente trabalhavam”, disse Machado. Ainda segundo o superintendente da CGU no estado, diretores de escolas denunciavam o caso, mas as ações eram neutralizadas por vereadores que queriam que o esquema perdurasse. “Quando um diretor de escola ou de posto de saúde colocava a situação, recebia pedidos da vereadora para deixar os funcionários lotados”, completou. Machado também afirmou que folhas de pagamento eram extraviadas para não depor contra os funcionários irregulares. (BN)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *